Empresas preferem profissionais prontos a investir em capacitação

Empresas preferem profissionais prontos a investir em capacitação

Na área de Tecnologia da Informação (TI), o problema vai muito além da famosa crença de que “santo de casa não faz milagres”.

A falta de profissionais de TI é grande em todo o mundo e não exclusivamente no Brasil. Há números que mostram um déficit de 200.000 profissionais, outros estudos falam em 50.000 e outros em 100.000. Qualquer que seja o número real, podemos afirmar que é um número alto e tende a se agravar, pois os jovens profissionais estão preferindo por seguir carreiras na área de humanas, fazendo com que a procura por cursos na área de exatas venha caindo ano após ano.

Com esta falta de profissionais em TI e o grande aumento de projetos no setor – principalmente para transformação digital – as empresas que necessitam destes profissionais começam a “roubar” profissionais uma das outras, o que inflaciona o salário destes profissionais, podendo chegar até a inviabilizar projetos e o surgimento de startups no setor.

Uma das alternativas para minimizar este problema é capacitar os profissionais da própria empresa através de cursos de TI que sejam rápidos e práticos, e assim promovê-los, no entanto os gerentes da área de TI com os quais converso ainda são muito contrários a esta alternativa, pois alegam que:

  1. Não têm tempo para formar novos profissionais, pois a equipe está sobrecarregada;
  2. Precisam de gente pronta para entregar o projeto no presente e não no futuro, ou seja , precisam de alguém “pronto” que já “chegue produzindo”;
  3. Se investirem em capacitação da equipe o “passe” de seu funcionário ficará valorizado e com o mercado aquecido ele irá embora, pois ele não tem autonomia sobre a política de cargos e salários da empresa que depende da área de RH e o problema pode ficar ainda maior.

Sendo assim, gostaria de citar 2 frases para forçar uma reflexão sobre o tema:

“Só há uma coisa pior que formar colaboradores e eles partirem… é não os formar e eles permanecerem”.
Henry Ford – fundador da Ford.

“Forma bem os teus colaboradores para que possam partir. Trata-os bem para que eles queira ficar”.
Richard Branson – grupo Virgin.

 

A experiência da 4Linux na formação e retenção dos talentos de TI

A 4Linux é uma empresa de consultoria e também um centro de treinamento que atua exclusivamente com software open source (Linux, DevOps, Python) e outras tecnologias que estão na crista da onda da TI.

A 4Linux forma seus próprios profissionais e para isso conta com 3 grandes facilitadores:

  1. Por ser um centro de treinamento ocupamos as vagas “não vendidas” em nossos cursos para formar e capacitar nossos profissionais. Para isso, o RH da 4Linux organiza frequentemente “caça-talentos“, onde escolhemos jovens profissionais que na nossa visão evoluirão rapidamente e passarão a produzir e fazer entregas relevantes em pouco tempo;
  2. Por sermos uma empresa de consultoria temos obrigatoriamente que trabalhar com tecnologias de vanguarda na qual profissionais com uma boa formação técnica e grande capacidade de evoluir é até mais interessante do que um profissional mais experiente, mas que também traz seus “vícios” adquiridos em empregos e tecnologias utilizadas na carreira.
  3. Para escolher os talentos certos, usamos a plataforma Rankdone (www.rankdone.com) pela qual aplicamos testes técnicos de forma online e específicos para a vaga em questão, isso nos permite eliminar a subjetividade das escolhas e trazer realmente profissionais com capacidade técnica acima da média. Para os finalistas, aplicamos testes comportamentais, de fit cultural e também provas práticas. Tudo isso antes de chamarmos os 3 melhores ranqueados para a entrevista final. Para retê-los, temos um plano de cargos e salários pelo qual procuramos fazer recompensas rápidas e frequentes com aumentos salarias conforme as “entregas’” vão acontecendo. É fato que não conseguimos reter todos, mas também não fazemos loucuras em nossa folha de pagamento e quando perdemos nossos bons funcionários, geralmente perdemos para grandes empresas ou para vagas fora do Brasil. E quando alguém se vai, outro é promovido e a vaga é preenchida com alguém da própria equipe e novos talentos são buscados no mercado e o ciclo se repete.

Veja o que diz Daniele Tartuce, Gerente de RH da 4Linux sobre cursos dados aos funcionários: “Ao disponibilizar treinamentos para a sua equipe, estes aumentaram a satisfação dos funcionários em relação a empresa, aumentam a produtividade dos colaboradores e a harmonia no trabalho da equipe, que se beneficiará com o nivelamento dos membros do time. Os gestores farão menos trabalhos operacionais ao delegarem tarefas a outros profissionais com a certeza de que eles serão capazes de resolver a questão de forma autônoma e eficaz.

Mesmo que sua empresa não tenha estes facilitadores o centro de treinamento da 4Linux oferece algumas facilidades para empresas:

Turmas in-company: Como fazer um treinamento corporativo sem atrapalhar a rotina dos funcionários? Esse é um dos principais obstáculos aos olhos de gestores e empresários. A boa notícia é que hoje existe a possibilidade de contratar empresas especializadas que irão elaborar um treinamento segundo as necessidades do seu negócio. As turmas in-company facilitam a logística pois evitam deslocamentos de toda a equipe e otimizam o uso do tempo. Também podem ter conteúdos educacionais customizados e focados. Saiba Mais…

Passaporte de cursos: O passaporte 4Linux dá uma grande flexibilidade pois permite que diferentes profissionais da equipe possam fazer qualquer curso regular da 4Linux em datas a escolher. Saiba mais…

Metodologia Blended Learning e Cursos on-line: Por também sermos uma empresa de consultoria temos ciência que já se passou o tempo de treinamentos longos e demorados para a área de TI. Esses cursos precisam ser rápidos e assertivos, ensinando o que realmente importa para o dia a dia do profissional. Implementamos a metodologia blended learning em nossos cursos que permite um aprendizado mais flexível e rápido. Na 4Linux os alunos ficam “fluentes” mais rápidos. Entenda porque neste vídeo.

Pense nisso…

Ao capacitar seus colaboradores regularmente, a empresa estará mais preparada para atender seus clientes, pois contará com profissionais capazes de agir e executar suas funções da melhor maneira possível e pensar em soluções inovadoras com o que há de mais atual no mercado, com isso, a organização garante um diferencial competitivo em relação aos seus concorrentes!

 

CURSOSCONSULTORIA    CONTATO

Anterior 4Linux marca presença no TDC Florianópolis!
Próxima 4Linux lança curso para especialização em "containers"

About author

Rodolfo Gobbi
Rodolfo Gobbi 14 posts

Idealizador e Presidente do Rankdone. Apesar de não ter suas origens na área de RH, aplicou - para desenvolver o Rankdone - seus 20 anos de experiência na contratação de profissionais e na montagem e gerência de equipes técnicas.Atua como Sócio-Diretor da empresa 4linux. Foi fundador e presidente do LPI( Linux Professional Institute) Brasil, a maior certificação profissional linux do mundo. Possui experiência em gerência técnica , comercial e financeira. Graduado em Engenharia Eletrônica pela Universidade de São Paulo com especialização em Computação, fez Extensão em Administração de Empresas na Fundação Getúlio Vargas.Ministrou diversas palestras em eventos de informática.

View all posts by this author →

Você pode gostar também

Negócios

Entenda porque “piloto” com software livre ‘não’ deve ser de graça e porque software livre não é software…é serviço!

Software Livre, apesar de ser um software em seu nome e objetivo, do ponto de vista comercial, deve ser tratado como um serviço e não como um software. No modelo

Destaques

Qual o nível de maturidade DevOps da sua empresa?

Medir o nível de maturidade dos processos DevOps é o melhor caminho para direcionar novos esforços e investimentos. A 4Linux idealizou e criou um serviço de consultoria na qual ela

Negócios

Software Livre não é software, é serviço

Software Livre ( FOSS ), apesar de ser um software em seu nome e objetivo, do ponto de vista comercial, deve ser tratado como um serviço e não como um