Ferramentas do mundo DevOps

Ferramentas do mundo DevOps

Gitlab: um dos sistemas de controle de versão mais usados e baseado no GIT. Permite criar e gerenciar múltiplas versões de código, fazer comparações e aditar alterações.

Puppet: normalmente usado para garantir as configurações e instalações em um servidor. Agentes garantem continuamente que as configurações definidas em uma linguagem declarativa chamada DSL (Domain specific language) estejam aplicadas.

Ansible: comumente usado para provisionar configurações e instalações em um servidor. Não possui agente e executa ações diante de solicitações (PUSH) que são aplicadas via SSH. As ações são definidas em playbook que são convertidos em linguagem Python durante a execução.

Jenkins: ferramenta para integração contínua que possibilita orquestrar ações e criar processos automatizados. Permite definir pipelines onde uma execução só segue se a anterior for concluída com sucesso.

Vagrant: permite provisionar máquinas virtuais e configurações com facilidade e de forma automatizada. É possível criar ambientes completos para desenvolvedores, por exemplo, em máquinas virtuais no virtual box com sistemas Linux ou Windows.

Apache Maven: ferramenta para automação de compilações com foco principal em JAVA, mas que pode ser usada também para C#, Ruby, Scala e outras linguagens. Baixa bibliotecas Java e plug-ins dinamicamente. Configurações baseadas em XML.

Gradle: sistema de automação de compilação baseado no Maven mas que usa linguagem baseado em Groovy em vez do XML para definir as configurações. Foi projetado para muti projetos e suporta compilações incrementais.

Nant: ferramenta para compilação de projetos .NET e automatização de tarefas com suporte a linguagens como C#, VB.NET, Mono, entre outros. Baseada no Ant, ferramenta com mesmo fim para projetos em Java.

PHPUnity: Framework para testes unitários para códigos feitos em PHP. Muito usado em processo de Integração contínua.

Junity: permite executar testes unitários em códigos feitos em Java.

Codeception: possibilita realizar testes de interface em aplicações desenvolvida em códigos PHP. Pode verificar elementos HTML, propriedades, conteúdo e outros.

oVirt: versão do livre do Redhat Enterprise Virtualization para criação de máquinas virtuais com sistemas Linux ou Windows. Possui suporte a alta disponibilidade, snapshots e live migrate. Usado como opção alternativa ao VMWare.

Docker: sistema de virtualização baseado em container que permite a criação de máquinas virtuais linux que compartilham recursos entre si. Muito usado para provisionamento dinâmico de servidores Linux.

Zabbix: ferramenta para monitoramento de servidores e ativos de rede. Permite coletar informações e definir gatilhos para envio de alertas de acordo com máximas definidas.

Anterior Diferenças entre integração, entrega e deploy contínuos
Próxima Por que aprender front-end ?

About author

Rodrigo Rodrigues Dias
Rodrigo Rodrigues Dias 8 posts

Trabalha com Linux desde 2001, onde começou com o extinto Conectiva Linux. Atuou em empresas de Consultoria e Telefonia IP e é certificado LPIC-3 303/304 e Exin DevOps Master. Foi Redator das revistas Linux PC Master e as edições extras com os saudosos CDs com as principais distribuições Linux do mercado. Foi também responsável pelo conteúdo da revista .NET, publicação inglesa adaptada ao Brasil e especializada no desenvolvimento e design web. Também foi o principal redator da Revista do CD-ROM, que marcou época. Atua hoje como Líder de Pré-Vendas da 4Linux onde auxilia clientes na definição de seus projetos Open Source. Já ministrou curso de formação Linux e Alta Disponibilidade, foi responsável pela Infraestrutura e Gerência de Projetos na 4Linux.

View all posts by this author →

Você pode gostar também

Graylog – Gerenciando todos os seus Logs

Este post tem como objetivo apresentar um guia para instalação e configuração do Graylog em Debian 8 (Jessie), suportado pelos bancos de dados noSQL  MongoDB e ElasticSearch e com alta

Conheça um pouco do Ansible Galaxy

Durante minhas aventuras como SysAdmin, eu me deparei com a fantástica ferramenta chamada Ansible. Eu me empolguei tanto com a ferramenta que acabei criando um projeto chamado warudo, agora já não

Diferenças entre integração, entrega e deploy contínuos

Há uma grande confusão sobre esses termos com a popularização das práticas DevOps, sobretudo no que difere o termo Deploy contínuo da Entrega contínua. Mas não há mistérios. São todas

0 Comentários

Ainda não há comentários!

Você pode ser o primeiro a comentar este post!

Deixe uma resposta